Mercado muito exigente? Qual a parcela de culpa das empresas?

De quem seria a “culpa” pelas vagas disponíveis no mercado não estarem preenchidas? Claro que existe a questão do preparo, do perfil, da insegurança do candidato, mas também existe um outro lado que não é muito debatido: As exigências um pouco exageradas por parte das empresas na busca pelo profissional!

O Coordenador de Recursos Humanos da RH NOSSA, Pedro Gonçalves de Lima,  percebe que há muita mão de obra no mercado e que uma parte dos empresários já percebeu esse detalhe e querem a pessoa perfeita. Acontece que muitas empresas se dão ao luxo de buscar esta pessoa mais completa procurando um perfil altamente qualificado em detalhes que não farão muita diferença:

“Um bom exemplo é inglês que muitas vezes será utilizado vez ou outra no trabalho. Então chega uma pessoa que é ótima, passa por todo o processo de seleção, tem todos os requisitos técnicos e comportamentais, mas na hora de bater o martelo o contratante acaba pensando se não há alguém mais perfeito”.  

Esta busca pela perfeição atrapalha o processo também já que é pensado em buscar um profissional.  Quando o resultado é alguém que está 100% dentro da vaga, ela acaba perdendo por detalhes demais que são exigidos – como no caso do inglês perfeito:

“Muitas vezes é uma questão que pode ser resolvida quando trabalhada de maneira correta. O mais difícil é encontrar alguém que se enquadre e, se faltar um inglês ou outro detalhes, a própria empresa pode dar este suporte com uma capacitação ou curso, algo que a pessoa pode fazer o necessário depois de estar trabalhando. o que não pode é por excesso de preciosismo perder um profissional qualificado, este sim um detalhe raro e difícil de se encontrar” alerta Pedro.

 

 

 

Fonte: KAKOI Comunicação
www.kakoi.com.br

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on telegram