Oportunidade e desafios do home office na gestão de pessoas e na busca do novo emprego

O trabalho no regime home office salvou muitos empregos, mas gerou um certo nível de estresse. Uma pesquisa recentemente divulgada pelo LinkedIn, realizada com duas mil pessoas sobre trabalho à distância mostraram o seguinte cenário:

– 68% dos entrevistados dizem trabalhar até uma hora a mais por dia
–  21% trabalham até quatro horas a mais por dia
– 24% se sentem pressionados em responder as mensagens mais rápido e estar online o tempo todo
– 27% enviam e-mails fora do expediente e
–  18% afirmam que estão preocupados em mostrar que estão ocupados, com medo de perderem seus empregos.

Reinvenção por parte de todos
A adaptação aconteceu também para quem está buscando um novo trabalho. Para a coordenadora de recrutamento e seleção da RH NOSSA, Eliane Catalano, os candidatos precisaram se reinventar até mesmo para escapar das estatísticas do IBGE sobre a taxa oficial de desemprego no Brasil, cujos números subiram para 14,3% no trimestre encerrado em setembro, alcançando incríveis 13,7 milhões de pessoas de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Mensal (PNAD Contínua):

“A principal dica para candidatos é conseguir uma certa fluência digital, que passou a ser fator de empregabilidade justamente pelo trabalho em home office. Mais do que ter uma câmera boa no computador, um celular confiável e uma boa conexão de internet, o candidato precisa adquirir habilidade para utilizar todos os aparatos”.

Catalano explica que os candidatos estão preparados neste momento, diferente do começo  da pandemia quando tiveram que se adaptar rapidamente: “Não foi apenas com os candidatos, foi assim com todas as empresas também. Era uma situação emergencial, algo muito novo e tivemos que nos acostumar pela mudança rápida” completa Catalano.

Um exemplo de adaptação durante a pandemia acontece na empresa MadeiraMadeira, um dos maiores e-commerces do Braisl. A responsável pelo endomarketing na empresa e Business Partner de Operações, Silvana Cardias, conta que inicialmente as reuniões aconteciam diariamente até todos entenderem o que estava acontecendo, através de reuniões com as lideranças, reuniões individuais e com a equipe inteira:

“Criamos vários canais em aplicativos para não perder o vínculo e treinamentos online gratuitos para apoiar nossos colaboradores. Com o passar das semanas, fomos entendendo o que funciona. O que recomendo são ações simples, como não fazer reuniões na hora do almoço e evitar reuniões após as 18 horas, salvo em situações mais urgentes”

Essas atitudes servem para equilibrar o ambiente de todos, já que casa e trabalho estão no mesmo local. Cardias lembra ainda que foram criados sites para crianças e família dos colaboradores, uma vez que muitos vivem em casa com toda a família: “Tudo para apoiar as pessoas, para que seja possível  se desvencilhar do trabalho depois do horário”. 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on telegram